#510

Amei-o desde o primeiro encontro com os seus livros. A minha paixão nasceu quando vi a sua fotografia num jornal. Durante três meses, de 11 de Novembro de1923 a 2 de Fevereiro de 1924, escrevi-lhe todos os dias. Mas não lhe enviei as cartas. Apenas lhe enviei uma, a que o Senhor não respondeu. No entanto, contemplando a sua fotografia, o seu olhar e toda a sua fisionomia revelaram-me o meu feliz destino: o Senhor não me tinha amor, não, mas reservara-me um cantinho nos seus pensamentos. Pela minha carta de 15 de Agosto de 1924 – festa da Assunção de Nossa Senhora – recordei-lhe a minha existência. E, poucos dias depois, certo reflexo que vislumbrei no seu rosto, na mesma fotografia, revelou-me que a minha carta o impressionara.

Henry de Montherlant, ‘Noivas de Ninguém’

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s