#576

Na literatura portuguesa contemporânea, não há escritor mais visceral do que Sandro William Junqueira. As suas personagens têm um corpo que se vê e ouve, sofrem da bexiga e dos intestinos, fazem da pele o palco do nojo ou do desejo. Não podia ser de outra maneira, porque este autor tem como lema, ou arte poética, a seguinte ideia: ‘Quero ouvir a pulsação cardíaca de cada frase.’ E pretende que a escrita provoque efeitos físicos: desconforto, excitação, gargalhadas, repulsa. ‘Tem de ser sempre uma coisa do corpo, porque nós somos corpo.’ A incomodidade que os livros possam causar ao leitor não o preocupa. ‘Como romancista, sigo a minha intuição, o meu instinto, gosto de levar as situações até ao limite. Nunca abdicarei disso. Os livros certinhos não me dizem nada. Serei sempre um autor de livros malcomportados.’

José Mário Silva, actual

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s