#836

A obra de Paula Rego mantêm à superfície a infância não apenas como se os velhos conservassem a candura mais perigosa da meninice, antes como se as crianças antecipassem grotescamente a velhice. Crianças velhas, brincando algo assustadoras, feitas de uma mortalidade demasiado evidente. Se a criança é a máscara do velho, no trabalho de Paula Rego ela recusa-se a esconder seja o que for. Expõe a decadência imediatamente a partir do primeiro tempo de vida.

Valter Hugo Mãe, revista P2

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s