#1265

Tudo depende de como estiver o tempo. Se chover, a visita ao cemitério pode ser rápida, o tempo necessário para acender uma vela, deixar umas flores, talvez trocar algumas palavras com alguém que não se via há muito tempo e que, por ser 1 de Novembro, também estará por ali hoje. Se não chover, é possível que se fique mais tempo. […] Quando era miúda, o Dia dos Mortos era uma espécie de aventura, um dia louco em que as crianças podiam ficar no cemitério até ser noite e correr por ali, à procura dos amigos da escola que também lá estavam, no meio de um ambiente impregnado de fumo, cheiro a cera queimada e uma lengalenga de rezas quando começava a missa que ali era celebrada. Hoje, já quase não cheira a cera nos cemitérios. As velas modernizaram-se, as velhas lamparinas de barro desapareceram, substituídas por tubos coloridos de plástico, e os mortos que já nos pesam retiraram o carácter infantil de aventura ao Dia dos Mortos. Hoje queremos não ter de ir ali e, se tiver mesmo de ser, ao menos que chova, para termos a desculpa de poder ficar por pouco tempo.

Patrícia Carvalho, jornal Público

One response to “#1265

  1. Nossa, eu nunca gostei de ir a cemitérios nos dias dos mortos. Me dava pena daquela gente viva que se obrigava a estar ali e os mortos longe. rs
    Hoje, visito cemitérios quando quero um pouco de paz. rs
    Não tente entender.
    bacio

duty of response

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s