#1368

Problemas na dentição, falta de exposição solar e dieta rica em açúcares. Os ossos das antigas habitantes do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, e as doenças de que padeciam ajudam a retratar melhor o regime de clausura em que as freiras clarissas viviam. […] A partir do estudo antropológico dos esqueletos foi possível perceber que o tempo dedicado à oração era origem de problemas físicos. As religiosas tinham lesões nos joelhos, o que ‘pode ser associado a traumatismos de repetição’ causadas pela genuflexão, explica Eugénia Cunha. […] O vestuário era a causa de um problema de saúde a acrescentar à lista das doenças ósseas e na dentição. Ao apenas mostrar a cara, o hábito reduzia a exposição solar, o que fazia com que as clarissas sofressem de falta de vitamina D. Se pelo meio houve descobertas para as quais não se consegue encontrar uma resposta definitiva, os ossos das clarissas confirmam ‘aquela ideia que temos de clausura: rezar muito, cozinhar muito, comunicar pelo silêncio’, afirma a também consultora Nacional para a Antropologia Forense do Instituto Nacional de Medicina Legal.

Camilo Soldado, jornal Público

duty of response

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s