#1632

Maria Lassnig não tem medo de se desenhar feia, incompleta, fragmentada. Não tem medo, sequer, de pintar a família – o pai ou a mãe – igualmente feios, com aguarelas onde a cor se sujeita a uma teoria de emoções, tal como muitos anos antes [Wassily] Kadinsky ou Paul Klee tinham tentado definir, cada um à sua maneira. Estuda muito, ganha muito pouco, vive com grandes dificuldades. Mas dá-se com as elites parisienses, porque sabe que, para criar, é preciso ver, discutir e pensar. […] Lassnig afirma que ‘a arte desenvolve-se através de bolhas de sabão rebentadas, de corações engelhados, do cerebelo espião’.

Luísa Soares de Oliveira, jornal Público

duty of response

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s