#1931

Em três anos e meio, Ana Barbeiro [do movimento O Porto não Se Vende] viu erguer-se um outro Porto. ‘Vizinhos a sair e mercearias e cafés a fechar’ por um lado, ‘novos estabelecimentos muito modernos e inovadores’ a abrir, por outro —  estes com o pormenor de, pelos preços praticados, serem quase sempre inacessíveis aos moradores. Mais ruído, festas quase todos os dias, veículos eléctricos ao estilo tuk-tuk que compensam o silêncio dos motores com música estridente, portas a abrir e a fechar a horas próprias de aeroportos, rodinhas das malas a ecoar no chão. ‘Coisas mínimas’, admite, ‘mas que acabam por se tornar incómodas,’ ‘Não é muito fácil compatibilizar as vidas de quem vive permanentemente num espaço com aquelas que estão de férias.’

Mariana Correia Pinto, jornal Público

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s