#1992

O tempo passa como uma sombra.

Lourdes Castro, artista plástica

Logo no início da década de 60, Lourdes Castro encontra no tema do trabalho sobre as sombras a presença fixada a partir da ausência, a matéria para a concretização da obra plástica. A representação da sombra ficou inscrita nos tratados de Plínio, o Velho, que a reconheceu como traço dos primeiros desenhos artísticos. Os gregos desenhavam a sombra dos seus mortos queridos para guardar a presença do ausente. Também para Castro, a sombra será a possibilidade de captar em tempo real, e in situ, a presença que logo se desvanece, dando assim uma materialidade eterna aos amigos e ao mundo que a rodeia. […] Na representação das sombras apanhadas no traço da artista, directamente no momento em que ele se reflete no jogo da luz, captando assim gestos banais do quotidiano – seja através de retratos, de autorretratos, de objectos, seja pela captação de sombras da matéria viva e orgânica, como as plantas dos seus vasos e do jardim, impressas e reproduzidas em materiais, como a serigrafia, depois o pléxiglas colorido em cores fortes e mais tarde bordado em lençóis à mão que suspendem no ar os corpos de amigos nos seus gestos de sono – que reencontramos a enorme delicadeza e originalidade da sua obra.

Ana Soromenho, revista do semanário Expresso

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s