#2000

[Para escrever a biografia de Natália Correia] foi muito comovente abrir uma pasta e ver originais de poemas com os quais eu cresci, e perceber onde é que ela se enganou, o que é que riscou, como riscou. Porque a Natália, quando escrevia poesia, não rasurava. Ela quase que rasgava o papel, parecia que havia uma força interior nela que se revoltava contra o que acabava de escrever.

Filipa Martins, jornalista e escritora, jornal Público

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s