#2143

Cidade do boato, do artifício, do ócio, do vício, Lisboa é a contraditória cidade pós-imperial onde tudo desagua: rufias, marujos, nobres, poetas, aldeãos, magalas, pregões, ardinas, funcionários, sonhos alegres e […]

Read Article →